Lideranças criativas com background de UX em agências

Carreira de um criativo em agências

Quando comecei a trabalhar com publicidade, a figura do Diretor de Criação da agência era uma.

Normalmente ele tinha trabalhado como Diretor de Arte por muitos anos, depois começou a coordenar um pequeno grupo de criativos, até ir aos poucos assumindo contas e responsabilidades maiores e chegar à posição de Diretor de Criação.

O interessante é que, ao mesmo tempo em que esse profissional percorreu a trajetória vertical (de criativo-chão-de-fábrica até chegar à diretoria criativa), ele também percorreu um caminho horizontal de incorporar o digital ao seu trabalho, à medida em que os meios digitais ganhavam força no país. Afinal, esse cara tinha trabalhado com o tal do “offline” por muitos e muitos anos. E foi ali que ele aprendeu muito do seu método criativo que usa até hoje.

E isso não faz muito tempo, não, juro. Menos de 10 anos.

Aos poucos fui vendo esse perfil de Diretor de Criação mudar um pouco. Quando me dei conta, a minha própria Diretora de Criacão era a primeira com um background de UX / Arquitetura de Informação da qual eu já tinha ouvido falar (pelo menos no Brasil).

Corta a cena, alguns anos depois, vejo mais e mais profissionais de UX se tornando diretores de criação.

Mas antes que esse pareça ser o caso, o objetivo aqui não é discutir se isso é “tendência” ou não entre as agências e os profissionais que nelas trabalham. Talvez seja só o UX Designer ganhando visibilidade e conquistando seu espaço da mesma forma que os Diretores de Arte e Redatores fizeram há vários anos.

O interessante é observar as características de cada tipo de líder criativo.

Quem trabalha em agência e tem um Diretor de Criação com background de Direção de Arte já deve ter reparado na facilidade desse profissional em visualizar interfaces, execuções visuais, apresentações e formas diferentes de visualizar dados. Por outro lado, quem tem um Diretor de Criação que veio de uma carreira de Redator, nota a facilidade desse profissional em ter uma visão mais conceitual, estratégica e narrativa das ideias que estão sendo criadas.

Quando você começa a trabalhar diretamente com líderes criativos de background de UX (ou de Planejamento), o cenário muda um pouco. Bom, não custa nada reforçar que estou me referindo aos DCs com quem trabalhei e que isso não é uma regra geral do mercado; é uma avaliação totalmente subjetiva.

Mas vamos lá:

  • DCs com background de UX costumam ter uma visão mais híbrida e imparcial do projeto, sem pender somente para o lado visual/execução nem apenas para o lado conceito/comunicação.
  • DCs com background de UX costumam parar com mais frequência para se questionar sobre a função estratégica do que está sendo criado, sem se apegar emocionalmente à linha criativa da ideia/projeto. É o famoso “joga tudo fora e começa de novo”, porque a ideia não está fazendo sentido estrategicamente ou dentro do objetivo de negócios do cliente. Talvez um DC com background diferente prefira seguir com a ideia, se ela for boa por si só e não necessariamente para o usuário.
  • DCs com background de UX costumam aplicar métodos de Experiência do Usuário também com os clientes. Afinal, eles passaram a carreira toda aplicando isso a usuários; nada mais justo que quando eles chegam a níveis hierárquicos mais alto e têm mais contato com os clientes, acabem aplicando isso também nas reuniões, apresentações, novos negócios e pipeline de entregas.
  • DCs com background de UX, por outro lado, podem não dar tanta atenção ao acabamento visual do produto criado, e isso acabar prejudicando (ou deixando de melhorar) a experiência do usuário. O mesmo pode acontecer com a consistência de mensagem.

Se o tal “Diretor de Criação com background de UX” é crescente ou não nas agências, só o tempo dirá. Mas existem agências em outros países onde os profissionais de UX assumem cargos não apenas de Direção Criativa, mas também outros cargos executivos e de Vice-Presidência.

Um fato -um tanto óbvio- é que quando o seu Diretor de Criação tem background de UX, você como UX Designer também passa a ter mais voz dentro do time. É interessante ver a composição de times diferentes, liderados por Redatores, Diretores de Arte e UX Designers, e perceber a diferença no resultado final do projeto e na troca de papéis de cada um dentro da equipe.

E aí quem sabe esse gráfico bem humorado do início do post não mude um pouco com o passar dos anos.

Anúncios

5 opiniões sobre “Lideranças criativas com background de UX em agências

  1. O conceito vem mudando, mas eu percebo que hoje como tudo é minimalista acaba que o papel do Diretor de Criação é um pouco descartável.

    Eu trabalho com web e off desde 1994 onde sempre fiz os 2, mas diferente de muitos “fazem tudo” por ai eu estudei realmente os 2 lados, mas foco quase q 90% dos trabalhos da minha empresa no online, mas em contato com clientes “agencias” eu vejo que o o DIretor de criação é um cara que não tem mais tanta relevância como se tinha antigamente, hoje se somente o Diretor de arte aprovar o job segue adianta, quando que isso a uns 5 ou 6 anos atrás isso é totalmente incabível, nada saia da agencia sem aprovação do DC.

    Realmente eu acho que tendo Diretores de criação com experiência em UX as coisas tendem a se distorcer um pouco, deixaremos de lado as “belas artes” e trabalhos já criados e que enxem os olhos quando vemos e passaremos a ter sites totalmente minimalistas onde o papel do Diretor de criação se resumirá em apenas, pensar na usabilidade da coisa toda. Se a sombra, a luz, o efeito no botão, a ilustração a foto etc será algo totalmente secundário.

    Hoje vemos sites com fotos de banco de imagens de pessoas branquelas, cabelos mega loiros etc, e isso era algo que o Diretor de criação nunca deixava passar, afinal os brasileiros não são “polacos”.

    Enfim, é uma grande discussão e um caminho que eu realmente não acho legal que se esteja se formando, mas como tudo na vida devemos aceitar e respeitar.

    É isso ai parabéns pelo post.

    abs

  2. Eu nunca havia parado para pensar neste aspecto e nessa possibilidade. Ao meu redor isso ainda é um tabu violento até pq o próprio profissional UX ainda não esta muito bem posicionado. Mas, imaginando um cenário sem preconceitos, competições ou mimimis, onde a cabeça cultural dos times no que diz respeito a UX estiver mais aberta, acho que deve ser uma soma interessante uma vez que experiência de usuário é o que dita o sucesso ou o fracasso do projeto. Fantástico! Vou meditar! Bjoooo

  3. Existe lider de um departamento de UX e existe Diretor de criação, são coisas distintas. Alguem especializado em UX nunca, NUNCA!, poderá desenvolver o papel de um diretor de criação, e vice-versa. Ux trabalha com experiencia de navegação, DC trabalha com propaganda, ou pelo menos deveria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s